Como é viver e trabalhar em um santuário de animais

Imagine viver cercado de animais, em um lugar onde indivíduos de muitas espécies diferentes coexistem em paz e liberdade, respirando ar puro. Um lugar onde esses animais possam viver até o resto de seus dias protegidos da exploração, do abandono e da negligência humana.  

Esta é a experiência cotidiana de quem vive e trabalha num santuário animal, um espaço dedicado ao refúgio, resgate e reabilitação física e emocional de todo o tipo de animais, desde espécies selvagens, passando por animais de companhia e aqueles considerados de “fazenda”. Nesses locais, os humanos não são protagonistas, pois a missão é reivindicar o direito desses animais de viver uma vida plena e feliz

A busca pela paz e o respeito aos animais, fazem com que alguns santuários não são abertos ao público, para evitar perturbar a tranquilidade dos animais e para focar todas as suas energias e recursos na garantia do seu bem-estar.  

Foto Crédito: Adriana Gorman para Santuario Granjita TyH

Santuário Voz Animal 

O Santuário Voz Animal é uma instituição sem fins lucrativos que surgiu pela iniciativa de voluntários. Idealizado pela fundadora Fernanda Ellwanger de Lima, o Santuário está localizado em uma área rural de propriedade privada, no município de Eldorado do Sul, a 50 km de Porto Alegre. Hoje a instituição abriga mais de 300 animais entre cães, gatos, porcos, vacas, cavalos, jumentos, ovelhas e aves de diferentes espécies, sendo eles vítimas de abandono, maus tratos e/ou resgatados da indústria pecuária.

Quem conta como é a rotina é a voluntária Camila:

“Contamos hoje com duas funcionárias que trabalham em turno integral e se revezam nas tarefas diárias com os mais de 300 animais que abrigamos.

A rotina começa pela alimentação de todos, iniciando pelos de grande porte – vacas, porcos, cavalos, burrinha, ovelha – e seguindo com os demais (aves, gatos, cães). Também são limpos os espaços onde dormem as vaquinhas Florzinha e Docinho, e o cavalo Ângelo. 

Além disso, as funcionárias administram medicamentos para os animais que estão em algum tratamento de saúde e observam seu comportamento para verificar qualquer anormalidade, para que seja acionado um veterinário sempre que preciso.

O Santuário conta com ajuda mensal de apoiadores, madrinhas e padrinhos. Para despesas com obras e outras urgências, o Voz Animal lançou uma vaquinha online.

Você pode ajudar o Santuário Voz Animal e muitos outros. Apadrinhe um animal, participe das rifas e vaquinhas, seja voluntário.

A idealizadora Fernanda com a vaca Florzinha – Foto: Santuário Voz Animal

santuário dos elefantes

A manhã no Santuário de Elefantes Brasil começa às 7h, ou até mais cedo se você quiser assistir a alguns dos amanheceres mais incríveis às 5h30. 

Os animais no topo da colina precisam receber o café da manhã e os medicamentos (se necessário), antes de podermos descer para verificar onde estão as cinco meninas elefantes. Da casa, você pode verificar as duas câmeras para ver se algum elefante está aguardando o café da manhã no galpão. Você geralmente encontrará Bambi e Mara perto da lagoa e saberá que Rana está em algum lugar por perto.

Ao descer da casa, ficamos atentos para qualquer sinal de elefantes nos recintos ou água faltando nos cochos, indicando que alguém bebeu lá recentemente. Em seguida, fazemos um planejamento para o dia, dividindo as tarefas e decidindo quem vai alimentar quais elefantes, quem irá abrir e fechar cada portão e limpar os recintos. Sempre tem que haver alguém observando as meninas enquanto elas tomam o café da manhã, para garantir que tudo seja feito com segurança.

De manhã damos café da manhã a todos os elefantes e é um momento de checar os elefantes observando como eles estão agindo, se alimentando e olhando-os à distância para ver se estão todos bem.

É possível realizar um excelente exame físico de um elefante apenas observando-o de perto: se um elefante tiver qualquer problema, ele normalmente nos mostra com sua tromba tocando repetidamente uma área que o está incomodando. Tratamos da Lady geralmente por volta das 10 da manhã. Ela recebe banhos de imersões das patas (escalda-pés) diários no galpão/centro de tratamento médico e tratamentos das patas.

Também podemos fazer tratamentos das patas quanto ela está nos recintos, ao longo das cercas, e então ela não faz os banhos de imersão. Mara volta ao galpão trazendo Bambi e às vezes Rana todos os dias das 15h às 16h para passar o repelente natural contra insetos. A equipe faz a limpeza dos recintos uma vez por dia pela manhã, após ou durante o café da manhã dos elefantes pois é um momento seguro para entrar nos recintos para limpar quando outros tratadores estão tratando dos elefantes. E então os elefantes recebem o jantar às 16hrs novamente, uma chance de realmente ver onde e como os elefantes estão.

Depois que Mara termina sua refeição, o sol se põe e às vezes, se você tiver sorte, há tucanos ou araras ou bandos de periquitos voando. É uma hora da noite muito pacífica. Rana, Mara e Bambi já finalizaram o jantar e estão se enturmando, todas finalizam o feno uma das outras.

Enquanto alguém alimenta as três meninas no galpão, outra pessoa sai para entregar o jantar para Maia e Lady, e espalha comida pelos recintos para que todas as encontrem durante a noite. De volta à casa, por volta do pôr-do-sol, todos os galos estão se preparando para dormir nas árvores ou ao longo da parede da varanda. Os três cães e dois gatos aguardam o jantar na cozinha. Há apenas uma bela vibração de paz enquanto o sol se põe magnificamente e tudo fica gradualmente silencioso.

Há diferentes rostinhos do lado de fora da porta da frente da casa, obviamente procurando por algo. Sampson, o galo cego do olho direito, vem buscar frutas e castanhas diariamente.

Às 22h há uma última refeição e tratamento a fazer para Alma, nossa anta residente. Um dos cachorros, Bugsy, sempre acompanha nossa equipe de casa até o cercado de Alma e espera pacientemente do lado de fora. É tão pacífico e bonito aqui em uma noite clara, com tantas estrelas no céu. Além de Bugsy, há um pato que caminha de e para o recinto de Alma em busca de companhia e, claro, comida. Frequentemente, o carneiro Milo também se junta ao grupo para o último tratamento de Alma.  Quando você se aproxima, Alma emite um som alto, como que um canto, animada por você estar vindo com uma última refeição. Bugsy e Minnie, dois cães,  são então deixados para dormir na varanda para proteger todos os outros animais contra os animais selvagens famintos.  Os dias são de muito trabalho neste lindo lugar.

Imagem: website Santuário dos Elefantes Brasil

Viver no paraíso 

No caso de El Paraíso de los Animales, santuário localizado na província de Buenos Aires, Argentina e que abriga mais de 850 animais de múltiplas espécies resgatados de abusos e exploração, os dias também são diferentes, mas todos começam iguais . Um dos primeiros a acordar – e o faz muito cedo – é Armando, fundador do santuário, que leva cavalos, touros e vacas ao campo para pastar. Pouco depois, o primeiro passeio começa a alimentar todos os habitantes. Com cerca de 22 espécies com dietas específicas vivendo juntas em uma comunidade, é muito importante dedicar tempo e atenção a cada necessidade alimentar.

E como todos os moradores de El Paraíso de los Animales têm uma história particular, há alguns que requerem um pouco de companhia e atenção especial na hora da alimentação. É o caso de três cavalos idosos que não têm dentes e por isso não podem mastigar, bem como de vários cães com necessidades especiais.  

De estômago cheio, é hora da limpeza e higiene e da visita dos médicos veterinários, que se encarregam de administrar todo e qualquer tratamento médico e fazer o controle de rotina dos residentes. À tarde, os fundadores se dedicam à compra e coleta de alimentos. O dia acaba aqui certo? A resposta é não, pois, no pôr do sol, os voluntários realizam uma segunda rodada de alimentação.  

Uma tarefa de longo prazo que, segundo Yamila, que faz parte da equipe do santuário, se reflete nos animais residentes. “O mais maravilhoso e incrível de viver e trabalhar aqui é ver que nossos membros voltam a confiar no ser humano depois de tanto sofrer. As mudanças são tanto físicas quanto emocionais. Elas nos mostram dia após dia a nobreza que possuem”, afirma.

No Santuário El Paraíso de los Animales, o trabalho está longe de terminar. Um de seus sonhos é construir um novo estábulo, já que o atual está em péssimo estado e terminar as obras do hospital veterinário dentro do santuário. Existem muitas formas de contribuir para que este local continue a ser um paraíso para os animais, pode consultar o site deles para mais informações, no momento não só recebem doações em dinheiro, alimento e medicamentos, mas também têm um programa de patrocínios.

“Fleco”, macaco uivador, morador do santuário Proyecto Carayá.

Liberdade no bosque 

Como antecipamos, existem muitos tipos de santuários e, no caso do Proyecto Carayá, um santuário argentino localizado na cidade de La Cumbre, sua missão é o resgate, a reabilitação e a conservação dos primatas. Nos últimos tempos, eles também abriram suas portas para várias cópias de puma e para cães que são colocados para adoção responsável, mas a maior parte de sua população é composta de 170 macacos, a grande maioria macacos bugios, resgatados do tráfico e posse ilegal e macacos, pregos, vítimas de experimentação científica e zoológicos.

Com uma população tão dinâmica, não é por acaso que todos os dias são repletos de atividades por parte da equipa de voluntários. Desde a preparação e distribuição de comida e água, passando pela reparação e construção de abrigos, até à observação e registo das actividades de grupos de primatas, a lista de afazeres é interminável. Dentro do santuário, a manutenção dos animais é complementada com apoio na aprendizagem dos filhotes, organização de visitas guiadas não invasivas em determinadas épocas do ano, entre outras atividades. 

Mayu Pilsel é a Coordenadora do Projeto Carayá e garante que “embora seja um trabalho muito sacrificial, vale a pena ver a cara de todos os animais quando os resgatamos e os levamos para o santuário. Viver na natureza e protegê-la é muito gratificante . Sentimos que fazemos parte da mudança e amamos isso.”

Mas nem tudo corre sempre bem, e um dos principais desafios é que o santuário fica a mais de 11 km da localidade mais próxima, por estrada de montanha. O isolamento dificulta o abastecimento – leva dois dias para ida e volta – e a obtenção de serviços básicos como eletricidade e gás, já que o espaço ainda não dispõe de recursos para se energizar de forma autônoma e renovável. No horizonte do Proyecto Carayá está o sonho de criar mais um santuário no Nordeste argentino para devolver os macacos ao seu habitat natural. Se você quiser colaborar com este e outros objetivos de longo prazo, você pode visitar o site. Atualmente, seu trabalho é apoiado por doadores 100% e visitas guiadas.

Você quer saber mais sobre seus moradores e suas histórias? Não deix de acompanhar o Santuário Voz Animal, El Paraíso Animal e Proyecto Carayá no Instagram.

Pronto para assumir o compromisso Veganuary?

Veganuary, o maior movimento vegano do mundo, inspira pessoas a experimentarem o veganismo no mês de janeiro e todos os meses do ano.