Os problemas da pesca e da piscicultura

“Os peixes literalmente sufocam no ar”, diz Victoria Braithwaite, professora de Pesca e Biologia da Penn State University e autora do livro “Do Fish Feel Pain?”. “Não aceitaríamos matar galinhas jogando-as em um tanque de água e esperando que se afoguem. Então, por que não se opor a peixes sufocando no convés de uma traineira?”[1]

Essa é uma ótima pergunta.
Fish

PEIXES SELVAGENS

As redes podem capturar dezenas de milhares de peixes de uma vez, deixando os animais exaustos enquanto tentam desesperadamente fugir. Quando as redes são puxadas para a superfície, os peixes que estão no fundo são esmagadas pelo peso dos que estão acima delas. A rápida mudança na pressão faz com que suas bexigas natatórias inflem excessivamente e seus estômagos e intestinos sejam empurrados para fora pela boca e ânus. Seus olhos se distorcem, incham e também podem ser empurrados para fora das órbitas.

Os animais são então jogados no convés do navio, onde aqueles que ainda estão vivos vão sufocar, um processo que pode levar vários minutos. Outros, como o atum, são içados da água com um anzol e mortos perfurados por uma estaca em seus cérebros.

Apesar de um número cada vez maior de estudos que mostram que as espécies aquáticas podem sentir dor, ainda não existem leis de bem-estar que regem o abate de peixes no mar.

Dead fish
Imagem cortesia de Alex Prolmos, reutilizado sob uma licença Creative Commons


a pesca em larga escala destrói habitats naturais

Três quartos dos recursos de pesca estão superexplorados na União Europeia[2]. O número de bacalhau e linguado já diminuiu 32% nas pescarias da UE desde 1993. Quanto às demais espécies mais caçadas e sua redução nos demais territórios, os números são: 63% no Atlântico, 82% no Mediterrâneo e 66% no Báltico são sobreexploradas.[3] As populações de atum, bacalhau e marlim diminuíram 90% durante o século passado, enquanto a população de cavala do Mar do Norte, que entrou em colapso na década de 1970, nunca se recuperou.[4] Esta é apenas a ponta de um iceberg devastador.

Os habitats marinhos são dizimados pela frota industrial de navios pesqueiros. A faixa de arrasto destrói o fundo do oceano, dizimando florestas de corais em alto mar e outros ecossistemas delicados.

Muitos cientistas acreditam que o impacto da pesca em animais que vivem no fundo é 100.000 vezes maior do que a extração de petróleo ou gás no fundo do mar[5]. Ainda assim, muitos ambientalistas deixam de comer carne, mas continuam a comer peixes, contribuindo para essa devastação. Com um em cada três peixes capturados na natureza sendo usados para consumo não humano,[6] incluindo a farinha de peixe que é adicionada à ração dos animais de criação, comer carne também contribui para os danos causados aos oceanos.

Assista a este poderoso vídeo sobre os efeitos da pesca predatória em nossos oceanos e na vida marinha:

‘sem querer’

As redes não discriminam. Elas vão arrastar qualquer espécie para fora da água, sejam elas comercialmente valiosas ou não. Não há números registrados de peixes e outras ‘capturas acessórias’. Em vez disso, a indústria registra peso. O peso dos peixes e outras espécies capturadas como capturas acessórias a cada ano é estimado em mais de 20 milhões de toneladas, quase um quarto de todas as espécies marinhas desembarcadas. [7]

Estima-se que 300.000 baleias, golfinhos e botos morrem nas redes de pesca todos os anos. [8] Outras espécies de captura acidental incluem tubarões, tartarugas, estrelas do mar, esponjas e centenas de milhares de aves marinhas mergulhadoras [9], entre elas albatrozes.

Turtles - one of the many animals at risk of bycatch in fishing nets
Foto: VisualHunt

peixe de cativeiro

A criação de peixes não é a única resposta para a devastadora destruição ambiental da pesca marítima. Por um lado, espécies cultivadas como salmão e bacalhau são carnívoras, então são alimentados com peixes retirados dos oceanos, aumentando assim a destruição.

A piscicultura também impacta diretamente a saúde dos peixes selvagens. Isso ocorre porque alguns peixes criados em viveiro escapam e espalham doenças e piolhos do mar entre seus semelhantes selvagens. Os piolhos do mar causam inflamações, hemorragias e atacam os órgãos dos peixes, acabando por comê-los vivos. Os piolhos do salmão de viveiro estão agora se espalhando para as populações de peixes selvagens em partes do Atlântico Nordeste. Além disso, os pesticidas usados para controlar os piolhos do mar em fazendas industriais de peixes estão se revelando prejudiciais para as populações de peixes selvagens.

Fish in a bag
Foto cortesia de Watershed Watch, reutilizado com licença de Creative Commons

animais sofrem nos cativeiros

Os peixes são colocados em compartimentos pequenos, imundos e não naturais. A superlotação faz com que um terço deles morra. Uma série de produtos químicos são usados para tentar evitar que ainda mais morram. Nesse ambiente estressante, muitos peixes arrancam as nadadeiras, caudas e olhos dos outros, um comportamento angustiante visto também em outros animais de criação industrial.

Philip Lymbery, CEO da organização Compassion in World Farming, explica que salmões com quase um metro de comprimento podem receber o equivalente a uma banheira de água. ‘Espremidos firmemente, esses andarilhos do oceano nadam como um bloco, em círculos incessantes ao redor da gaiola, como o andar de cima para baixo de animais de zoológico enjaulados.’[10]

A realidade é que a crueldade é deliberada. Camarões, por exemplo, são cegados porque a maioria dos criados em cativeiro não é capaz de se reproduzir. E ter seus olhos cortados desencadeia o amadurecimento de seus ovários. A ‘extração do olho’ foi rotulada de ‘cruel’ e ‘traumática’ por vários cientistas, mas não vai parar, é uma parte intrínseca da criação de camarões e mais da metade de todos os camarões consumidos globalmente são cultivados.

A criação de peixes pode erradicar o problema da captura acidental, mas não significa que não haja vítimas adicionais. A indústria de criação de peixes escocesa admite atirar em 500 focas por ano para evitar que comam os peixes, mas os ativistas dizem que o número real pode chegar a 5.000.[11]

Fish in a net
Foto cortesia de Small Jude, reutilizada sob licença de Creative Common


TRANSPORTE VIVO

Transportar peixes é uma experiência estressante e dolorosa para eles. Eles podem se ferir quando apanhados pelas bombas de vácuo e redes e ainda sofrem com as mudanças na pressão e temperatura da água.

É prática comum deixar os peixes famintos por 48 horas antes de transportá-los, para desacelerar seu metabolismo e reduzir a contaminação da água de transporte com suas fezes. Alguns peixes podem até ser mantidos fora da água durante o período de transporte.

abate

A única estipulação legal para o abate dos 35 milhões de peixes de criação que são mortos no Reino Unido a cada ano{12] é que eles sejam “poupados de qualquer dor, angústia ou sofrimento evitável”.[13] 

Os peixes nos criadouros podem ser mortos por asfixia ou podem ter seus arcos branquiais rasgados, um procedimento desumano que faz com que os animais lutem violentamente pelos quatro minutos que levam para morrer.[14] 

Alguns peixes ficam atordoados antes do abate por uma pancada na cabeça, choque elétrico, uso de dióxido de carbono ou imersão em água gelada. Nenhum desses métodos é totalmente eficaz e os peixes muitas vezes sufocam ou sangram até a morte.

A dead fish on a bloodied floor
Foto cortesia de Animal Equality UK


peixes são inteligentes

Os peixes podem usar ferramentas, se comunicar e podem aprender rapidamente.[15] Longe de ter memória fraca, a pesquisa mostrou que várias espécies de peixes têm memórias precisas que podem durar muito tempo, até anos, no caso da migração do salmão.[16]

O pesquisador de peixes Culum Brown revisou quase 200 artigos sobre percepção sensorial de peixes, habilidades cognitivas naturais (incluindo sua capacidade de avaliar a quantidade) e suas habilidades de perceber e sentir dor. Ele encontrou ampla evidência de que os peixes são inteligentes em todos os aspectos. E concluiu: ‘As pessoas precisam ter uma maior compreensão de como os peixes são inteligentes. Só porque somos ignorantes não é desculpa para tratar mal outro animal.’[17]

A pesquisa também está começando a descobrir que os peixes têm personalidades distintas. Não deve ser surpresa que todos os animais, incluindo os cães e gatos com quem compartilhamos nossas casas, os patos que alimentamos no parque, os peixes nos oceanos e nós mesmos, sejam todos seres distintos. E suas vidas são tão importantes para eles quanto as nossas são para nós.

PORCOS, VACAS E GALINHAS SÃO OS PRINCIPAIS PREDADORES DO OCEANO

Milhões de toneladas de peixes são capturados para alimentar os animais de criação, incluindo os peixes de criação. Anchovas peruanas, por exemplo, são pescadas aos bilhões [18], mas apenas 2% são consumidas por pessoas, embora 13% das crianças peruanas tenham desnutrição crônica [19]. Os 98% restantes são reduzidos a farinha de peixe ou óleo de peixe, que são então adicionados à alimentação de animais de criação em todo o mundo, incluindo galinhas e peixes de criação[20].

Referências

[1] Victoria Braithwaite,Do fish feel pain? Oxford: OUP, 2010

[2] N Keijzer, ‘Fishing in troubled waters?’ European Centre for Development Policy Management, 2011

[3] Birdlife International et al, ‘Public Aid for Sustainable Fisheries’ February 2012

[4] ‘Rescuing the North and Baltic Seas: Marine Reserves – a key tool’ Greenpeace, 2004

[5] Charles Clover, The End of the Line: How overfishing is changing the world and what we eat, Edbury Press, London, 2004

[6] Albert Tacon, ‘Competition between catch of forage fish for fishmeal and human consumption’, Lenfest Ocean Programme, 7 June 2014

[7] ‘General facts regarding world fisheries’, United Nations, May 2010

[8] CD Soulsbury, ‘The Animal Welfare Implications of Cetacean Deaths in Fisheries’, Whale and Dolphin Conservation Society, 2008.

[9] Daniel Cressey, ‘Terrible toll of fishing nets on seabirds revealed’, Nature, 29 May 2013

 [10] Philip Lymbery, In too deep: the welfare of intensively farmed fish, 2002

[11] Auslan Cramb, ‘Scottish farmers “conducting secret seal slaughter”’, The Telegraph, 5 Apr 2009

[12] ‘Opinions on Fish Welfare’. A Presentation to the UK aquaculture Forum, Farm Animal Welfare Committee, 17 Oct 2012

[13] Article 3 (1), Council Regulation (EC) No 1099/2009 of 24 September 2009 on the protection of animals at the time of killing

[14] Stephanie Yue, ‘The Welfare of Farmed Fish at Slaughter’, Humane Society of the United States, 2009

[15] Emily Gertz, ‘Are fish as intelligent as crows, chimps … or people?’ Popular Science, 19 June 2014

[16] Braithwaite, 2010

[17] Gertz, 2014

[18] ‘Impacts of the Peruvian anchoveta supply chains: from wild fish in the water to protein on the plate’, Globec International Newsletter, April 2010

[19] http://www1.wfp.org/countries/peru, accessed January 2018 

[20] Allison Guy, ‘Overfishing and El Niño push the world’s biggest single-species fishery to a critical point’, Oceana website, 2 Feb 2016

Pronto para assumir o compromisso Veganuary?

Veganuary, o maior movimento vegano do mundo, inspira pessoas a experimentarem o veganismo no mês de janeiro e todos os meses do ano.