Peles de animais exóticos: a crueldade por trás da moda - Veganuary

Peles de animais exóticos: a crueldade por trás da moda

Depois de décadas de publicidade, as principais marcas do mercado da moda estão deixando de usar peles em geral. Agora, os holofotes estão voltando para peles de animais “exóticos

Snake skin background
Imagem: AdobeStock

As investigações estão começando a descobrir a crueldade por trás desses produtos, bem como as negociações sem escrúpulos dos envolvidos. Apesar de leis específicas para proteger certas populações selvagens, os animais ainda são capturados, mortos e criados para comercialização. Algumas marcas de moda chegaram a pressionar os conservacionistas para obter seu apoio para o uso de peles de animais exóticos … e tiveram sucesso.

CONFLITOS DE INTERESSE

Em 2020, Buzzfeed relatou uma conexão chocante entre a IUCN (o órgão internacional de conservação) e o fornecimento de peles de animais para marcas de luxo. Eles relataram que Grahame Webb, que liderou o grupo de crocodilos da IUCN por décadas, na verdade era dono de uma fazenda de crocodilos na Austrália. As peles dos crocodilos abatidos em sua fazenda foram vendidas para Louis Vuitton e Hermès.

Nem todas as marcas de moda são iguais, mas aquelas que se posicionam estão sob fogo cerrado. Apenas três dias depois da Chanel anunciar que não usaria mais peles de animais exóticos, Webb foi coautor de um artigo publicado em uma revista de moda online com o título: “Por que a proibição de peles exóticas da Chanel é errada”. De forma preocupante, quando Buzzfeed perguntou quantos dos 15.000 especialistas da IUCN haviam relatado possíveis conflitos de interesse, a IUCN se recusou a responder.

Se não podemos contar com conservacionistas para proteger os animais selvagens – incluindo crocodilos, cobras, arraias, tubarões, cangurus e girafas – algo está muito errado.

Crocodilos

Crocodilos são seres pré-históricos que se assemelham aos dinossauros 65 milhões de anos depois. Ao longo dos milênios, eles foram adorados, temidos e, mais recentemente, sistematicamente explorados. Quando a popularidade de suas peles como um item de moda começou a aumentar em 1800, eles enfrentaram um ataque violento que poderia tê-los eliminado completamente. Nas décadas de 1960 e 70, as populações estavam diminuindo tão rapidamente que foram criadas leis para protegê-las. E com eles veio uma concessão familiar para aqueles que lucram com peles de animais: para permitir que as populações selvagens se recuperem, você pode fazê-lo em sua fazenda.

Crocodile on the waterbank
Imagem: Pexels

Como todos os animais de criação industrial, o estresse de viver em cativeiro superlotado pode levar à frustração, agressão e ferimentos, talvez ainda mais para esses animais selvagens do que para outras espécies que foram domesticadas. Dr Clifford Warwick, biólogo especialista em répteis, diz: “Em fazendas [de crocodilos], 90% dos ferimentos que os animais sofrem estão diretamente relacionados à natureza opressora de seu ambiente. Além de feridas de briga, desenvolvem anomalias e deformidades porque não conseguem andar ou nadar. Ficam submetidos à pouca água que é ocupada por muitos animais, o que interfere no equilíbrio bacteriano, fazendo com que suas feridas infeccionem”.

Warwick insiste em que crocodilos não devem ser criados em cativeiro e diz que aqueles que os cultivam os entendem mal. Ele diz: “Não há muito o que aprovar na criação de crocodilos. Sua biologia e comportamento não se prestam a uma vida de cativeiro. Para um observador casual – e isso geralmente inclui as pessoas que administram fazendas de crocodilos, que geralmente não são cientificamente qualificadas – os animais podem parecer pacíficos e relaxados. Mas um especialista em comportamento animal pode ver que eles estão estressados.”

Apesar do sofrimento, a indústria de criação de crocodilos está crescendo. A Tailândia lidera o grupo com cerca de 1.000 fazendas, a maior das quais contém 150.000 crocodilos. A Austrália tem 20 fazendas, mas esse número está aumentando. Em 2020, a marca francesa Hermès apresentou planos para construir sua própria fazenda na Austrália, com até 50.000 crocodilos.

cobras

Save the Snakes, organização sem fins lucrativos dedicada a proteger populações de cobras ao redor do mundo, afirma que as cobras selvagens “estão em declínio por causa da destruição do habitat, doenças, extração excessiva, espécies invasivas e até mesmo mudanças climáticas. Essas ameaças combinadas deixaram algumas espécies cada vez mais perto da extinção. ” Mas a criação de cobras é a resposta?

Aqueles que só enxergam lucro argumentam que é mais sustentável matar as cobras criadas em fazendas do que caçar animais selvagens, como se não houvesse uma terceira opção: não matar. Ponto. Leva anos para uma cobra atingir o tamanho ideal e, portanto, regularmente são descobertas fazendas que “lavam” cobras. Animais selvagens capturados ilegalmente e vendidos como criados em cativeiro.

Snake sticking tongue out
Imagem: Pexels

Assim como a Hermès, com sua fazenda de crocodilos, a Kering – empresa por trás da Gucci, Saint Laurent e Alexander McQueen – construiu uma fazenda de pítons, também na Tailândia. Em 2017, a empresa deixou claro que não tinha intenção de acabar com o uso de cobras e que mataria tanto animais em cativeiro, quanto selvagens para produzir seus sapatos, bolsas e cintos. A moda da pele de cobra está levando à criação intensiva e ao massacre de pítons selvagens. As crueldades envolvidas são imensas.

As fazendas comerciais de cobras se desenvolveram rapidamente em toda a Ásia, desde que as primeiras fazendas experimentais foram estabelecidas na China em 2007. A maioria das pesquisas conduzidas nessas fazendas olha para a sustentabilidade e o risco de doenças zoonóticas, ao invés do bem-estar dos animais. Mas em 2021, a PETA conduziu uma investigação em uma fazenda de cobras no Vietnã e suas descobertas foram profundamente chocantes. Os animais lá passavam suas vidas em gaiolas sujas e apertadas e quando se tratava de ‘colheita’, eles morriam inchados:

“Os criadores fecham a boca e o ânus das pítons com faixas de constrição apertadas. Em seguida, fazem um buraco na cabeça ou na cauda, inserem uma mangueira e bombeiam ar comprimido – um método de matar que é considerado extremamente cruel. O investigador foi informado de que as cobras supostamente recebem um choque com uma bateria de carro antes de serem mortas para que não estejam totalmente conscientes.”

arraiaS, TUBARÕES, CANGURUS, GIRAFAS E MAIS

Shagreen é o nome que se dá ao couro feito com a pele de arraias ou tubarões. Ele ganhou popularidade pela primeira vez na década de 1920, quando era usado em escrivaninhas e outros móveis. Ainda hoje é considerado um material de “luxo” pelos designers de artigos para a casa. Aqueles que continuam a usá-lo dizem que é um subproduto da indústria pesqueira, mostrando que a captura acessória “acidental” pode ser altamente lucrativa.

Ostrich
Imagem: Pexels

Os cangurus são abatidos e suas peles (“k-leather”) utilizadas em botas, calçados, tênis e chuteiras, sendo os maiores compradores desses produtos a Europa e os Estados Unidos. Peles de rena são vendidas como revestimentos de piso “da moda”; avestruzes são abatidos para fazer bolsas; girafas são transformadas em botas. E há muito mais espécies exploradas e mortas para que suas peles possam ser usadas.

A MARÉ ESTÁ VIRANDO

Assim como em todo comércio de peles, a indústria de peles exóticas só terminará quando pararmos de comprar seus produtos e as marcas de moda sentirem a pressão de usar apenas tecidos éticos. Essas campanhas já estão valendo a pena. Marcas de luxo, incluindo Chanel, Mulberry, Paul Smith, Victoria Beckham, Vivienne Westwood, o grupo SMCP, Diane von Furstenberg e Selfridges, confirmaram que não usarão mais peles exóticas. E a Stockholm Fashion Week de 2020 baniu peles e peles exóticas em sua edição. Ainda há muito a fazer para proteger os animais selvagens da indústria da moda. Não consuma, não apoie, procure por marcas veganas e ajude as organizações de sua região.

PREPARADO PARA ASSUMIR O COMPROMISSO VEGANUARY?

Veganuary é o maior movimento pelo veganismo no mundo, inspirando pessoas a experimentar o veganismo em janeiro e pelo resto do ano