Como os animais são prejudicados no entretenimento?

Muitos de nós, que amamos os animais, queremos passar um tempo com eles visitando zoológicos, aquários ou em corridas. Mas quão éticas são essas indústrias?

Are animals harmed in the entertainment industry?
Image Credit: Unsplash

Podemos falar de um passeio onde procuramos avistar pássaros, mamíferos ou mesmo répteis e anfíbios. Podemos fazer mergulho com snorkel para observar nossos amigos aquáticos debaixo d’água, ou talvez nos oferecermos para passear com os cães de algum centro de resgate local. Algumas vezes podemos ir a zoológicos e aquários, ou a corridas de cavalos ou galgos. Os animais parecem bem cuidados e felizes nesses locais, por isso não devemos nos preocupar com seu bem-estar. Infelizmente, na indústria do entretenimento, nem tudo é o que parece.

OS ZOOlógicoS SÃO ÉTICOS?

Os zoológicos existem há milhares de anos e começaram como uma forma de os ricos mostrarem seu poder. Essa “mentalidade de colecionador” existiu até o século 20, quando os ricos continuaram a enviar caçadores ao redor do mundo para capturar e trazer de volta “espécimes”. Para chegar aos animais jovens, grupos familiares inteiros eram frequentemente mortos. Os séculos 18 e 19 foram o boom para os zoológicos, mas os animais selvagens deles são tratados como objetos de exposições até hoje.

Os zoológicos argumentam que existe um elemento educacional em seu trabalho e, desde 1981, a lei determina que também deve haver um elemento de conservação. No entanto, existem muitos zoológicos que mantêm animais que não estão em perigo, porque atraem uma multidão. Quanto à educação, um estudo de 2014 entrevistou 2.800 crianças de 7 a 15 anos após visitas ao Zoológico de Londres e descobriu que a maioria das crianças não mostrou nenhuma indicação de ter aprendido novos fatos sobre animais ou preservação ambiental.

Are zoos ethical? A giraffe captive in their enclosure.
Imagem: Unsplash

Em contraposição a isso, aqui estão as muitas preocupações sérias sobre o bem-estar dos animais em zoológicos, incluindo:

  • Seja em gaiolas, currais ou em uma área ajardinada, a vida dos animais selvagens em zoológicos é restritiva e tem pouca semelhança com seus habitats naturais.
  • Os animais geralmente desenvolvem comportamentos estereotipados, como andar de um lado para o outro, morder a barra, torcer o pescoço, balançar a cabeça, balançar o corpo e se automutilar.
  • Seus comportamentos naturais são severamente limitados: os pássaros podem não conseguir voar; mamíferos podem nunca escalar ou correr.
  • Eles são forçados a formar grupos ou pares não naturais, principalmente quando um zoológico pretende procriar os animais.
  • Se houver brigas, se nascerem muitos bebês, ou simplesmente para “atualizar” as “peças”, os animais são vendidos, comercializados e enviados para todo o mundo.
  • Os animais excedentes podem simplesmente ser mortos, mas os zoológicos continuam os reproduzindo, pois os clientes pagantes adoram ver bebês.
  • Os elefantes se sentem especialmente mal em zoológicos, pois estes nunca podem atender às necessidades físicas, psicológicas ou emocionais desses animais complexos.
  • Se um animal escapar de seu cercado ou atacar um tratador ou membro do público, é provável que o eliminem a tiros.

Os animais selvagens pertencem à natureza e até mesmo os zoológicos estão começando a reconhecer isso. Damian Aspinall, dono de um zoológico no Reino Unido, faz campanha pelo retorno de todos os animais em cativeiro à natureza e pelo fechamento de todos os zoológicos e parques de vida selvagem, incluindo o seu próprio. E o zoológico da Ilha inglesa de Wight interrompeu toda a criação de animais e agora oferece espaço para aqueles que precisam de um santuário. Nossa esperança é que essa tendência continue em todo o mundo.

Leia mais (em inglês) sobre zoológicos em: Born Free Foundation e Freedom for Animals.

os aquários são éticos?

Os aquários são zoológicos aquáticos e os problemas são muito semelhantes. A grande diferença é que a maioria dos peixes em cativeiro ainda são retirados da natureza – cerca de 79%, de acordo com a Freedom for Animals. Para capturá-los, cianeto e outros produtos químicos são usados para atordoá-los, com até 30% dos animais morrendo durante o processo. Aqueles que sobrevivem são embalados em sacos plásticos e caixas e enviados em viagens de longa distância. Sem surpresa, muitos mais morrem durante o transporte e até um terço morrem após a importação. Este é um comércio que custa muito aos peixes selvagens.

Aqueles que chegarem ao aquário vivos passarão o resto de suas vidas em tanques restritivos, em vez de nadar nas águas abertas a que pertencem. Nesses tanques minúsculos, comportamentos estereotipados como girar, balançar a cabeça e se machucar são comuns e foram vistos em animais em 90% dos aquários no Reino Unido.

Are zoos ethical? What about aquariums and races? We explore this topic further.
Imagem: AdobeStock

E a conservação? Os maiores aquários do Reino Unido pertencem, na verdade, a uma empresa de entretenimento que também possui vários parques temáticos. O Sea Life é listada ao lado do Peppa Pig World of Play e do Madame Tussauds como “atrações internas, onde os hóspedes normalmente passam uma ou duas horas”.

Os aquários são educativos? Pode haver algum elemento de educação, mas a maior lição que eles ensinam é que não há problema em capturar, matar e confinar animais selvagens em ambientes restritivos e não naturais para nosso próprio prazer. Felizmente, as pessoas estão começando a entender que os peixes, como outros animais, são sencientes e têm personalidades e preferências. Eles se unem a outros peixes, usam ferramentas, se comunicam e não são apenas uma distração divertida por uma ou duas horas em um dia chuvoso.

Saiba mais sobre aquários em Freedom for Animals e PeTA (conteúdo em inglês).

corrida de cavalos é cruel?

Cerca de 13.000 potrinhos nascem na indústria de corridas de cavalos a cada ano, com 7.500 indo para a corrida. Aqueles que não passarem pela classificação podem ser fuzilados em seus estábulos, abatidos para comer carne ou vendidos continuamente no que o grupo de campanha Animal Aid chama de “uma espiral descendente de abandono”.

Há muito dinheiro sendo lavado em torno da indústria das corridas e a competição pelos vencedores é feroz. Para obter a vantagem, os cavalos de corrida modernos foram criados especificamente para serem rápidos, mas às custas da resistência óssea. Pense em 500 kg de cavalo correndo a 60 km/h e, em seguida, observe as pernas e jarretes frágeis (tornozelos) que apresentam. Um passo em falso e as pernas inevitavelmente estalam.

Cerca de 200 cavalos morrem todos os anos em pistas de corrida britânicas. Entre as lesões mais comuns estão pernas, costas, pescoço e pélvis quebrados, ataques cardíacos e vasos sanguíneos rompidos. Não sabemos quantos mais morrem no treinamento, pois ninguém os reconhece ou conta.

Is horse racing cruel?
Imagem: Unsplash

A corrida não é apenas uma ameaça à vida dos cavalos, mas também pode causar imenso sofrimento rotineiramente. Até 75% dos cavalos de corrida sofrem de sangramento nos pulmões, o que pode fazer com que o sangue vaze de suas narinas. Úlceras gástricas estão presentes em cerca de 93% dos cavalos em treinamento e essa condição piora progressivamente até o animal se aposentar, quando então melhora. É sabido que é o estresse dos tratamentos causa esta condição.

Aqueles que defendem as corridas dizem que os cavalos são animais de rebanho que adoram correr e a prova disso está nos cavalos que continuam a correr após a queda do jóquei. Na realidade, os cavalos adoram correr quando querem, não quando estão sendo chicoteados e chutados. Aqueles que continuam a correr após a queda do jóquei, o fazem para acompanhar o rebanho e não ficar para trás. E, quanto a chicotadas, você pode imaginar que seria legal chicotear um animal por qualquer outro motivo?

Há muito segredo em torno do destino dos cavalos usados pela indústria de corrida. Um relatório descobriu que dois anos depois de deixarem as corridas, 43% dos animais estavam mortos ou não puderam ser localizados. Mesmo aqueles que ganham muito dinheiro para seus “donos” ficam descartáveis assim que suas carreiras no hipismo terminam. Eles podem terminar seus dias em um matadouro, com sua carne destinada à alimentação de animais de estimação ou consumidores no exterior. A indústria fala em feliz aposentadoria para os animais, mas muito poucos são atendidos depois que saem das corridas. A indústria simplesmente lava as mãos deles e cria mais.

Descubra mais sobre corridas de cavalos em: Animal Aid e League Against Cruel Sports (conteúdo em inglês).

as corridas de cães galgos são crueis?

Quase 1.000 galgos morreram ou foram mortos no Reino Unido em 2018, de acordo com os próprios números da indústria. Dezenas morreram de “morte súbita” na pista, enquanto outras 250 foram sacrificadas devido a ferimentos. Quase 200 foram mortos por não serem considerados adequados para regressar a casa no final das suas carreiras. Na Irlanda, onde 16.0000 cachorros galgos nascem na indústria a cada ano, quase 6.000 são mortos apenas porque não são rápidos o suficiente. Pelo menos um criador se ofereceu para vender cães indesejados a laboratórios de pesquis animal.

Para os cães que correm, mesmo pequenos ferimentos na pista podem significar que eles serão mortos se seu desempenho for afetado. Dedos e jarretes quebrados são relativamente comuns e também podem acabar com a vida de um cão. Em 2018, 5.000 cães ficaram feridos no Reino Unido.

Is greyhound racing cruel?
Imagem: League Against Cruel Sports

Qualquer que seja a razão para matá-los – seja uma lesão, velhice, perda de desempenho ou um cão jovem que simplesmente não vai conseguir sobreviver – isso geralmente é feito por uma pistola pneumática. Esta é a mesma arma usada em matadouros para atordoar vacas. Surpreendentemente, de acordo com a lei do Reino Unido, qualquer pessoa pode usar uma arma de fogo para destruir um galgo se for o proprietário legal do cão.

Existem centenas de histórias de terror sobre o destino terrível dos galgos. Corpos de cães foram encontrados com as orelhas cortadas para evitar que sejam identificados pela tatuagem, um “dono” foi fotografado jogando corpos ao mar e valas comuns foram encontradas. Animais individuais foram encontrados quase mortos com um buraco na cabeça após uma tentativa frustrada de matá-los, além do abandono de muitos nas ruas e estradas.

Muitas vezes, suas vidas também são totalmente miseráveis. Um relatório da League Against Cruel Sports descobriu que os cães de corrida passam 95% de seu tempo sozinhos em pequenos canis sem contato social. Aqueles que são alojados em pares são mantidos permanentemente amordaçados, o que é altamente angustiante para eles. Muitos não recebem cuidados básicos de saúde, como vermifugação e tratamento contra pulgas, mas também foram detectados ferimentos não tratados, desnutrição e problemas dentários.

Alguns galgos sobrevivem aos anos de corrida e encontram acolhimento em centros de resgate e em lares amorosos. Mas esta indústria tem um coração sombrio e muitos cães passam suas vidas sozinhos em canis imundos e esquálidos, apenas para serem mortos e mutilados quando não são mais úteis.

Leia mais sobre as corridas de galgos (em inglês) em Caged e League Against Cruel Sports.

Conclusão

Grande parte da crueldade, abandono e sofrimento que ocorre em zoológicos, aquários, corridas de cavalos e corridas de cães, acontece longe da vista do público, da mesma forma que as fazendas industriais tentam esconder o pior sofrimento em sua própria indústria.

Não podemos confiar que nenhuma indústria que lucre com animais nos diga a verdade sobre como esses animais são tratados. Para cada animal que vemos que “parece feliz” nesses ambientes, pode haver incontáveis mais que não vemos, cujas vidas miseráveis e mortes cruéis passaram despercebidas, não relatadas e impunes.

Se você quiser ajudar a criar um mundo onde os animais não sejam explorados para entretenimento, por que não experimentar o veganismo? Inscreva-se para receber nossa jornada gratuita de 31 dias com receitas, dicas e informações úteis.

PÁGINA ATUALIZADA EM ABRIL 2021

Pronto para assumir o compromisso Veganuary?

Veganuary, o maior movimento vegano do mundo, inspira pessoas a experimentarem o veganismo no mês de janeiro e todos os meses do ano.