Animais marinhos esquecidos

Seaspiracy nos mostrou como a indústria da pesca é devastadora para os animais, o meio ambiente, a biodiversidade e os direitos humanos. Também nos mostrou que as fazendas de peixes (e toda a sua poluição e sofrimento animal) não são a resposta para esses problemas. Aqui, compartilhamos com você algumas das práticas mais preocupantes na aquicultura e falamos sobre os animais que muitas vezes são esquecidos nas discussões sobre como nossas escolhas alimentares afetam os animais e o meio ambiente.

Polvos

Os polvos sempre nos surpreendem. Essas criaturas altamente inteligentes também são incrivelmente hábeis. Eles podem abrir conchas de moluscos, manipular pedras, construir abrigos e até mesmo desmontar os sistemas de filtragem de tanques se tiverem o azar de acabar em um. Os polvos têm personalidades distintas, podem ficar entediados e ter imaginação. Todas essas são características com as quais nós, humanos, nos identificamos, mas há muito mais nos polvos. Eles têm um sistema nervoso distribuído principalmente por seus oito braços, a capacidade de se camuflar mudando de cor e podem regenerar um membro se perderem um. Apesar de ser um dos animais mais extraordinários do planeta, eles não são imunes à exploração humana. Recentemente, a indústria da aquicultura começou a fazer experiências com o cultivo deles.

Octopus in the sea
Foto: Unsplash

Cerca de 350.000 toneladas de polvos são capturados na natureza todos os anos e servidos em restaurantes em todo o mundo. Foram tão capturados que os números estão se esgotando e há tentativas de produzi-los em massa nas fazendas. Por um longo tempo, isso foi um desafio, pois os polvos comem apenas alimentos vivos. Isso significa que eles eram caros e difíceis de manter, além de precisar de uma salinidade e temperatura específicas para prosperar.

Infelizmente, a indústria, prevendo lucro, persistiu. Eles descobriram que algumas espécies de polvo podem sobreviver com alimentação abaixo do ideal e em um ambiente menos específico. Agora, há empresas na Austrália, México e Japão que estão se preparando para criá-los em fábricas.

A professora Jennifer Jacquet, da Universidade de Nova York, liderou uma equipe de pesquisadores ambientais que argumentava contra o cultivo de polvos. Ela afirma que: “Os polvos comem peixes e crustáceos. Fornecer o suficiente para alimentar um grande número deles aumenta a pressão sobre a cadeia alimentar. É insustentável.”

A professora Jacquet foi além do impacto ecológico e também falou com paixão sobre a ética dos polvos agrícolas. “Não podemos ver nenhuma razão para que, no século 21, um animal sofisticado e complexo deva se tornar a fonte de alimentos produzidos em massa”, disse ela. “A criação industrial de polvo é antiética e ecologicamente injustificada.”

Tartarugas

Em um destino turístico popular nas Ilhas Cayman, os visitantes podem nadar com tartarugas marinhas verdes ameaçadas de extinção e pegá-las para serem fotografados com elas. Eles podem não saber o quão estressante isso é para os animais, mas esta não é a única omissão do site da empresa. Em nenhum lugar está escrito que eles também criam 9.500 desses animais ameaçados para o comércio de carne.

As tartarugas marinhas são criaturas solitárias. Elas migram mais de 2.200 quilômetros e podem mergulhar a até 150 metros. Nesta fazenda, elas são mantidos em tanques de concreto rasos, ao lado de centenas de outras.

Turtle swimming in ocean
Foto: Unsplash

A World Animal Protection (WAP) encontrou evidências de animais estressados se canibalizando. Em 2015, um dos funcionários do local abandonou o emprego depois de testemunhar o sofrimento terrível todos os dias. “Elas estavam constantemente lutando para chegar à superfície para respirar”, disse. “Todas as tartarugas que você podia ver tinham ferimentos e marcas de mordidas. E todas viviam empilhadas umas em cima das outras.”

Mordidas, doenças e estresse são problemas comuns de acordo com a WAP, assim como a endogamia. Como resultado, algumas tartarugas chegaram a nascer sem os olhos.

É inacreditável que qualquer pessoa que crie um animal em extinção e ainda busque lucrar com seu abate. Embora esta fazenda seja, felizmente, única no mundo, há muito mais fazendas criando tartarugas de água doce para o comércio de sua carne. Na China, mais de 300 milhões de tartarugas de cativeiro são vendidas todos os anos. A maior parte delas são tartarugas de carapaça mole, mas algumas são espécies criticamente ameaçadas de extinção. Há tanto sigilo em torno dessas fazendas que nenhuma das empresas deseja dar qualquer informação aos seus concorrentes. A maioria das críticas veio do fato de animais selvagens capturados serem levados para reforçar o “estoque” de reprodução. Até onde sabemos, ninguém explorou as condições dessas fazendas, nem viu como os animais ali sofrem, mas uma coisa nós sabemos: o sigilo é um péssimo sinal.

camarões

À medida que os oceanos do mundo são esvaziados em um ritmo alarmante, a indústria busca outras maneiras de obter lucro. Hoje, a criação de camarões está se tornando cada vez mais comum. No Reino Unido, mais da metade de todos os camarões consumidos são cultivados.

Esta é, sem dúvida, uma indústria tenebrosa. A Environmental Justice Foundation afirma: “A produção de camarões pode ser responsável por uma grave degradação ambiental, como a destruição de manguezais, pântanos e recifes de coral, destruição da biodiversidade marinha e costeira e afogamento em massa de tartarugas marinhas e outras espécies protegidas. Também tem sido associada a abusos de direitos humanos, como trabalho infantil e escravo, intimidação, violência e até assassinato. ”

White shrimps
Foto: AdobeStock

No Vietnã, a criação de camarão está associada ao desmatamento, erosão, rápida subsidência da terra e aumento dos níveis de salinidade que estão ameaçando a estabilidade de toda a região do delta do rio Mekong. A prática também causa séria poluição, uma vez que a maioria dos criadores de camarão depende de uma variedade de produtos químicos e medicamentos para manter os animais vivos. No descarte, os componentes são lançados em cursos de água públicos junto com a velha água contaminada do lago.

No cerne desta indústria está um segredo extremamente chocante: “extração do pedúnculo ocular”, que é a cegueira deliberada das fêmeas.

Os camarões fêmeas têm uma glândula atrás dos olhos que afeta a fertilidade. O estresse de viver nessas fazendas torna os animais menos propensos a se reproduzir. Para forçar o processo, os fazendeiros destroem essa glândula cortando seus olhos, o que força os ovários a amadurecer.

É difícil conceber algo mais desprezível a se fazer a um animal, mas isso acontece em quase todas as fazendas de camarão do mundo.

Isso os machuca? Um estudo descobriu que o comportamento dos animais era consistente com dor e incluía sacudir a cauda, esfregar a área afetada, recuar e inclinar-se. Os animais também experimentaram desorientação causada por alterações hormonais de destruição da glândula.

Não deveria ser surpresa que o sofrimento que já estamos familiarizados nas criações industriais seja tão intenso, talvez mais, nas fazendas aquáticas. Quando os animais são produtos, quando suas vidas e corpos são vistos apenas em termos de lucro, parece que não há fim para as atrocidades que as pessoas estão preparadas para cometer.

Pronto para assumir o compromisso Veganuary?

Veganuary, o maior movimento vegano do mundo, inspira pessoas a experimentarem o veganismo no mês de janeiro e todos os meses do ano.