Galinhas – de joias da floresta a frankensteins de penas

A indústria da carne transformou aves bonitas, inteligentes e inofensivas no animal terrestre mais abusado do planeta

Image of a red junglefowl chicken
Galo-banquiva. Crédito imagem: www.commons.wikimedia.org / Rudraksha Chodankar

Fiquei muito surpreso na primeira vez que conheci as galinhas. Foi em um santuário nos arredores de Washington D.C., nos Estados Unidos, e elas haviam sido resgatadas de uma fazenda de ovos. Quando o sol começou a descer no horizonte, observei maravilhado uma fila de 10 galinhas entrar no celeiro sem serem solicitadas e se acomodarem em seus ninhos individuais. Eu não conseguia acreditar no quão bem treinados os pássaros eram, mas o zelador explicou que este era seu comportamento natural. Na natureza, as galinhas – ou ave da selva para dar seu nome próprio – estão na lista de muitos predadores, então protegem-se quando a luz começa a diminuir. Naturalmente, elas se empoleirariam nas árvores durante a noite, mas uma caixa-ninho aconchegante dentro de um celeiro é uma escolha muito mais segura se ela tiver a opção.

Tive a sorte de ver algumas aves selvagens no Sri Lanka. Essas belas aves vivem em florestas em todo o sul da Ásia e são primas selvagens das galinhas domesticadas. Elas são menores do que as galinhas que criamos (devido à nossa reprodução seletiva para pássaros cada vez maiores) e podem viver até dez anos – um contraste gritante com as galinhas que comemos e que são abatidas com apenas 5-6 semanas de idade, embora muitas nem sobrevivam por tanto tempo.

Image of an unnaturally large broiler chicken
Galinha doméstica.

Em torno de 6 milhões de galinhas são abatidas todos os anos no Brasil.

A grande maioria é criada em granjas industriais. Suas vidas não poderiam ser mais diferentes das de seus parentes selvagens. Ela começa em uma incubadora, onde fornos gigantes são usados para incubar os ovos, sem nenhuma galinha mãe à vista. Quando eclodirem, serão classificados em uma linha de transporte – machos de um lado, fêmeas do outro. Aqueles pintinhos muito pequenos ou fracos para sobreviverem ao envio para uma granja são jogados em uma caixa para serem sufocados ou moídos vivos.

Baby chicks at a hatchery on a conveyor belt ready to be sexed
Incubadoura de frangos. Créditos: Animal Equality

Na granja, eles serão despejados em um enorme galpão que parece um hangar de aviões, junto com 50.000 outros pintinhos. Parece espaçoso até para essas pequenas bolinhas amarelas, mas isso logo muda. Gerações de reprodução seletiva criaram pássaros que crescem muito mais rápido e tornam-se muito maiores do que o natural. Então, em duas semanas o galpão está superlotado e o ar cheira a amônia dos excrementos das aves que estão se acumulando. Nas próximas semanas, seus corpos continuarão a inchar. A maioria vai lutar para ficar de pé e respirar; muitos não sobreviverão até a matança.

Factory farm shed filled with thousands of chickens
Granja industrial no Reino Unico. Crédito: Animal Equality

As condições nas granjas modernas não são naturais e estão superlotadas

Seus corpos foram levados a extremos tão anormais de tamanho e forma (pesando no peito), que cerca de 50 milhões de galinhas morrem nas granjas todos os anos na Grã-Bretanha. Seus corpos distorcidos e doentes são simplesmente jogados no lixo. Para piorar a situação, mais de um milhão de galinhas morrem no transporte entre a granja e o matadouro a cada ano. Na verdade, mais galinhas morrem sem nunca chegar ao matadouro (ou cadeia alimentar) a cada ano do que todas as vacas, porcos e ovelhas abatidos para alimentação a cada ano juntos.

Image of a lame chicken on a factory farm floor
Granja industrial no Reino Unido. Crédito: Animal Equality

A indústria da carne transformou uma ave bela, inteligente e inofensiva no animal terrestre mais abusado do planeta. Isto é uma tragédia. E para aqueles que têm o privilégio de passar tempo com galinhas, é totalmente inaceitável.

Que tal deixar o frango de lado e experimentar o veganismo conosco?

Pronto para assumir o compromisso Veganuary?

Veganuary, o maior movimento vegano do mundo, inspira pessoas a experimentarem o veganismo no mês de janeiro e todos os meses do ano.